:: Registrar-se :: :: Efetuar Login ::  Você não está logado no momento.
Sangréal - Linhagem do Santo Graal

Maria Madalena: Verdade ou Falácia?

Ir. Kleber Siqueira

Comentários em Publicações:

Madalena, a que desafiou a moral e os costumes


Livros falam da figura bíblica como se fosse uma protofeminista e tentam reconstituir a vida dessa que seria a discípula mais amada de Jesus

 

Antonio Gonçalves Filho

Jornal "O Estado de São Paulo"J - Quinta-feira, 23 de Dezembro de 2004

 

A bem da verdade, seria difícil - tanto para Dan Brown, de O Código Da Vinci, como para os demais autores - montar a história de Maria Madalena sem recorrer aos evangelhos apócrifos. No caso do livro Maria Madalena, de Margaret George, a matriz é mesmo O Livro de Maria, descoberto em 1896, mas ela garante que só foi "entender" direito essa história ao percorrer todo o caminho de Maria e identificar Magdala, que teria sido a cidade de origem da figura bíblica. Roteiro semelhante foi seguido pela arqueóloga carioca Fernanda de Camargo-Moro, que percorreu a Galiléia e a Judéia, visitando mosteiros do Delta em busca de documentos e pesquisando os pergaminhos do Mar Morto.

Os quatro evangelhos canônicos trazem escassas informações sobre Maria Madalena, o que facilita - e muito - a vida dos escritores. Eles podem pisar à vontade no acelerador, avançando o sinal sem ter a carta recolhida. Margaret George, por exemplo, descreve a infância da santa com tal segurança que é possível até sentir a pequena Madalena sendo possuída pelo primeiro dos sete demônios (uma deusa de ébano, de lábios sensuais, que ela descobre na areia e esconde dos pais). Filha de um próspero e religioso comerciante de peixe, Madalena, figura relativamente eclipsada nos evangelhos, assume um papel fundamental na história de Jesus, segundo o livro. Afinal, foi a única entre os discípulos a ficar ao lado da cruz, enquanto os apóstolos se afastaram com medo do invasor romano.

Como seria complicado reinventar Jesus, a escritora transfere essa tarefa especulativa para a figura de Madalena. Ao final, o leitor fica com a impressão de que acabou de ler um daqueles relatos que tornaram Freud célebre entre seus contemporâneos. A décima terceira "apóstola" é descrita como uma mulher esquizofrênica, ou, no mínimo, vítima de uma crise de identidade, provocada pela rejeição familiar. Não se deve esquecer que, ao ser exorcizada por um homem suspeito para os rabinos, Madalena estaria ferindo preceitos judaicos. Além disso, deveria ser um escândalo para a época uma mulher abandonar a família e seguir um estranho - e, ainda por cima, um estranho que curava doentes, expulsava demônios e ressuscitava mortos.

Bem, é óbvio que a Maria Madalena da escritora americana se apaixona pela figura carismática de Jesus, mas ela é bastante respeitosa para observar, delicadamente, que essa identificação é, antes de tudo, espiritual. Após a crucificação, sua heroína parte em direção à Ásia Menor para pregar os ensinamentos de Jesus.

O livro da arqueóloga Fernanda de Camargo-Moro converge para o mesmo ponto quando assume que Maria Madalena foi uma mulher que teve acesso à gnose, preferindo confrontar os limites de uma sociedade misógina - como a judaica, na época - a sufocar seu desejo de conhecimento. À maneira de Jacques Derrida, ela "desconstrói" a figura de Madalena, observando que a discípula não foi a única mulher a seguir Jesus sozinha. Recorrendo ao Evangelho de Lucas para atestar a veracidade desse capítulo, ela conclui que a parte norte da antiga Palestina era mais "avançada" que o sul. Essa conclusão coincide com a teoria que aponta Madalena como a "discípula amada" de Jesus, no lugar de um seguidor anônimo que teria sido o autor do Evangelho de João e é considerado o seu "discípulo amado".

E, quando a arqueóloga fala "amada" quer dizer amada mesmo - tanto no sentido espiritual como carnal, para escândalo dos que repudiaram as liberdades tomadas em A Última Tentação de Cristo, em que o Messias (delirando, na cruz) imagina-se renunciando à missão divina, casando com Maria Madalena e virando pai de família. Hoje, como antes, a natureza humana - demasiadamente humana - de ambos continua chocando.

 
Links para Ampliar a Sua Pesquisa :
Temple Church Knight Templars - Rosslyn  Rosslyn Templars  
O Sangréal na lenda Arturiana   King Arthur